Viajantes Interplanetários

E-MARTE: Cadastre-se para receber nossas novidades em primeira mão!

terça-feira, 16 de agosto de 2016

2 Marcianos publicando:

De acordo com o dicionário Michaelis da língua portuguesa POESIA é:


1 LIT Arte de compor versos.
2 LIT Composição poética, com rimas ou em versos livres, em que o autor expressa seus sentimentos, ideias, impressões etc.
3 LIT Composição em versos de pequena extensão.
4 Capacidade criadora; inspiração.
5 Caráter do que eleva a alma.
6 O que faz o belo manifestar-se.


Em minha opinião poesia também é um modo de olhar as coisas diferente, sejam elas coisas profanas ou sagradas, sejam cores, pessoas, bichos. O olhar do poeta vai mais além da margem do rio e mergulha com os peixes no mais profundo simbolismo, como um prisma nos ajuda a enxergar muito além da cor branca.


Ser um poeta nunca foi fácil em nenhuma época, quiçá nos dias atuais onde “adultos” abandonam a vida para caçar pokémons. Conseguir publicar um livro então, não é tarefa menos árdua. Por isso viemos aqui pedir a colaboração de todos os colegas das redes sociais para publicarmos nosso livro novo: PORRADA NO JUÍZO, escrito em parceria com Marcone Santos ou Jimmy para os mais chegados. Você pode fomentar essa ideias a partir de R$ 35 e receber o livro na pré-venda exclusivamente em sua casa.




quinta-feira, 4 de agosto de 2016

Solucionática

Existe uma lenda tribal africana, a qual conta que pai, avô e filho estavam num pequeno barco prestes a afundar no caudaloso Okavango. Apenas o pai sabia nadar e podia salvar um dos restantes: seu próprio pai, ou seu filho. A sua consciência lhe dizia que ambos eram igualmente importantes, mas ele salvou seu próprio pai. O velhos, naquela tribo, eram depositários de toda a sabedoria e, sem eles,  a própria tribo perderia sua identidade e estaria fadada a desaparecer.


Hoje as coisas são diferentes na tribo internética, então fiz um soneto que esclarece como aconteceu recentemente na África quando um homem branco, seu filho e seu pai foram encurralados por um leão feroz e faminto:


Perigo de morte a todos naquele grotão
Encurralados os três no interior do mato
Pois faminto a espreita estava um leão
Pai, o menino, o avô com medo de fato

Como fazer? Alguém seria sacrificado
Para que se salvassem os outros dois
Seria o avô querido ou o filho amado?
Qualquer solução dor causaria depois

O pai, aos céus, fazia pungente oração
Pedindo resposta para tal problemática
Porque parecia inviável qualquer opção.

Não via como podia empregar uma tática
Mas de repente ouviu-se a voz do ancião:
Salve o menino, ele conhece informática!

segunda-feira, 6 de junho de 2016

Réquiem para um polímata

A humanidade segue seu rumo normal, produzindo homens também normais como eu e grande parte dos que vivem neste planeta. Mas, as vezes, por um capricho que foge a nossa compreensão, surgem vultos acima de todos, que fazem sombra aos comuns mortais.
Foi assim no passado, como é assim no presente, dentre os bilhões de seres que por aqui trafegam, uns poucos, bem poucos, se enquadram na categoria de gênios.
Tive a ventura de conhecer, trabalhar e conviver com um prócer do quilate de gênio: o polímata RODOLFO RODRIGUES BARCELLOS, que ontem nos deixou. Barcellos, como sempre o chamamos, oficial da Força Aérea, era um exímio profissional de aviação que deixou marca por onde passou; violonista talentoso; conhecedor profundo da teoria musical: autodidata, fluente em inglês, falava e escrevia como fora sua primeira língua; excelente jogador de xadrez; poeta inspiradíssimo; escritor de ficção científica; espírito generoso; blogueiro prolífero; sujeito amigável, super inteligente; arguto; franco; cético; filósofo; bem humorado; fantástico contador de casos; tranquilo e muito mais. Era meu guia, se é que se pode dizer assim. Escreveu o prefácio de meu primeiro livro.
Foi-se o Rodolfo Barcellos, porque a morte é a única e indelegável certeza desta vida. Hoje nosso planetinha azul ficou mais pobre e bem mais triste, e Érato tem menos um vate a sua disposição para os vagares idílicos de seus versos.
O espaço que esse amigo ocupava estará para sempre vazio. Vai, meu amigo! com a calma a reflexão e o espírito inquisitivo que sempre te acompanhou! Nós ficamos aqui nesta dimensão aguardando o dia que também seguiremos esse caminho que ora se inicia para você. Aos seus familiares, nossos sentimentos.

Jair & Brandina.

sexta-feira, 27 de maio de 2016

A merda continua

De Brasília emana o grande cheiro,
Lá onde o maldito caldeirão cozinha,
Não se sabe se da privada ele vinha,
Entretanto, embostece o país inteiro.

Tornou-se esta nação fedido bosteiro,
Que duma fatal catástrofe se avizinha
Entre merda e o político não há linha,
Mas um entrelaçamento verdadeiro.

Brazucas no exterior envergonhados,
Aos estrangeiros não têm explicação,
Por essa cagada em todos os lados.

Se bosta fosse bala e político canhão,
Garanto-lhes, eleitores acomodados,
A bem da pátria faríamos a revolução.

terça-feira, 24 de maio de 2016

.

te mer cu nha
mer cu te nha
nha te cu mer
nha te mer cu
cu te nha mer
mer te nha cu

não dá pra separar
um abre outro fecha
um treva outro brocha
um zero outro traço
fuinhas do mesmo asco

Chacal


domingo, 8 de maio de 2016

Nossa Alma

Nossa alma essa entidade tão passiva
Quando silenciosa nosso corpo habita
Certamente com seus dotes ela cativa
Outra alma que lhe pareça mais bonita.

Talvez numa relação um pouco lasciva
Na qual a nossa preciosa alma acredita
Essa bonita interação tão discreta viva
Sob nenhuma norma até então escrita.

E, nada disso nos deixa amargurados,
Somos veículo que alma anda apenas
Por mais que tal não tenhamos anelado.

Porque se as almas não são pequenas
E que nós estejamos de vida animados
As relações corpo/alma serão serenas.

LIVRO FREE

Já está disponível para download o livro PESSOA COMUM de Ricardo Banholzer baixe, não perca tempo. Quem curti a leitura de PESSOA COMUM pode adquirir o livro novo: O ESCORPIÃO E O LAGARTO: sob o sol do sertão. É só entrar em contato com o autor.

Pessoa comum: http://www.4shared.com/office/9qdNtDe0ba/Pessoa_Comum.html

Contato para adquirir o livro novo:https://www.facebook.com/ricardo.banholzer?fref=ts



quinta-feira, 21 de abril de 2016

Tiradentes diria:


Queríamos altos desígnios para o país
Sacrificando até própria vida para isso
Libertar esta pátria do garrote, eu quis
Contudo sucedeu-me um povo omisso.

As vezes pergunto: O que foi que eu fiz
Criando para os lusos aquele reboliço,
Tentando desligar a Colônia da matriz
De acordo a devaneio de meu toutiço?

Agora não adianta chorar as pitangas
O povinho merece o governo que tem
Esta petezada é o rebotalho da ganga.

E a fina essência da escória também
O qual afana do povão e ainda manga
Pouco ligando pro futuro que não vem.

terça-feira, 19 de abril de 2016

À redenção dos nativos


Hordas de bárbaros navegantes lusitanos
Ousando cruzar mares nunca navegados
Jactaram-se ao verem seres “subumanos”
Envergando pouca roupa ou até pelados:

Deus os fez para que nos sejam escravos
Incapazes, que vão nos servir no trabalho
Acontece que índios são guerreiros bravos
Driblaram aquele luso navegante paspalho.

O explorador que só moleza e ócio queria
Índio rebelde e determinado aí encontrou
Nada do que o tolo lusitano dizia ele fazia

Depois, o guerreiro no mato se homiziou
Infernizando a vida do europeu em razia
O português inútil quase à terrinha voltou.

Mais um record brasileiro


O “Guiness Book” registrou o maior lançamento de cuspe a distância: 
Na câmara federal, um deputado cuspiu da extrema esquerda e conseguiu atingir a extrema direita no plenário.