Viajantes Interplanetários

E-MARTE: Cadastre-se para receber nossas novidades em primeira mão!

terça-feira, 13 de abril de 2010

LAJEDOS



Limpos, inorgânicos mundos,
que não apodrecem nem fedem,
após brevíssimo esplendor,
como os seres salvos do Éden,


corpos de gesso, de granito,
que não se deslocam nem gritam,


como eu gostaria de ter
esse mentiroso repouso
de seus átomos, e de ser


lápide, lousa sobre a cova
onde a podridão se renova.


Alberto da Cunha Melo

Um comentário:

  1. simpliesmente fodão esse texto
    Caju já havia feito as apresentações a tal obra do Alberto mas nada como uma reeleitura para uma contra resalva de como é bom o poema

    ResponderExcluir