Viajantes Interplanetários

E-MARTE: Cadastre-se para receber nossas novidades em primeira mão!

quarta-feira, 5 de maio de 2010

GRADATIVAMENTE

 
Tranquilamente vou
Apaguei da mente
O que não vale a pena ocupar
Meu tempo não merece ter

E nessa confusão
Eu não tenho pressa
Me espalho, tento encontrar
Um ar melhor pra entender

Gradativamente não me satisfaz

Quero distância desse talvez, nunca me fez bem
Quero sentir de uma vez, não ter hora pra acabar

Tranquilamente vou
Mesmo que eu não aguente
E peça pressa pra acabar
Eu não quero saber voltar

E nessa confusão
Modifico meu trajeto todo dia
Pra evitar qualquer lugar
Vir me prender

Eu não quero
Receber
Palmas
Por saber

Que tem que ter calma
Que tem que dar quase nada
De si


André Vinhaes

11 comentários:

  1. Comentário tendencioso e comprometido detectado.

    ResponderExcluir
  2. Belo poema... belas palavras. Inspirador! Parabéns!

    ResponderExcluir
  3. agora que eu vi a parada do bingo hahhahaahahah

    ResponderExcluir
  4. claro que esse comentario inutil foi pra contabilizar

    ResponderExcluir
  5. fuderoso, esse é fuderoso
    Caju tu conhece essa peça?

    ResponderExcluir
  6. "Apaguei da mente
    O que não vale a pena ocupar
    Meu tempo não merece ter"

    Adorei isso :D
    Máxima que merece um passe adiante \o/

    ResponderExcluir
  7. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  8. esta poesia vai andando até o cume, e diz o que tem de dizer intessante! brilhante!

    ResponderExcluir