Viajantes Interplanetários

E-MARTE: Cadastre-se para receber nossas novidades em primeira mão!

sexta-feira, 11 de fevereiro de 2011

FILOSOFANDO À TOA

“Mas a filosofia Hoje me auxilia A viver indiferente assim.” (Noel Rosa)


Por: Célio limA.

No outro artigo eu citei o nome de alguns filósofos brasileiro... Noto a falta de acesso no sentido de indicação por parte dos incentivadores acadêmicos ou dos atuais representantes das academias ou dos meios culturais e de comunicação. Alguns leitores desta coluna me relataram a dificuldade que gira em torno do nosso (produto) conhecimento intelectual, outros me confidenciaram que dos pensadores que os citei, só tiveram conhecimento a obra do Raul Seixas...

Já era o que eu previra quando topei essa empreitada. Provar que a nossa própria filosofia é desconhecida por nós e descartada nos ambientes acadêmicos e intelectuais. O que nos salvam e nos salvarão “dessas trevas” é por assim dizer a filosofia popular, encontrada por exemplo na obra do musico baiano: Raul Seixas,

citações e ideias de toda a parte da filosofia universal.

Quero dizer que não defendo a idéia de um pensamento bairrista (nacionalista etc.) quero apenas que o nosso povo tenha acesso ao que é universal de forma importada tanto quanto ao que fora feito e descoberto pelos nossos próprios conterrâneos. O que chamo de uma “Filosofia Popular” é a forma de como você passar a mensagem levando o conhecimento de uma forma fácil, simples ou acessiva ao Ser inculto: como aquele bom papo na mesa de bar que muita das vezes clareia nossa escuridão. Um dos filosofo que eu o considero popular é o Nietzsche. Não que ele seja assim por dizer fácil, mas sim por ele ser um pensador utilizado por todos em qualquer camada social e por ele não ser um filosofo “meio-termo”, ou você o ama ou o odeia. E que mesmo não gostando ou não concorde com ele, Você entende e não nega a força da sua obra.

O que eu quero frisar é que as nossas faculdades hoje não passam de meras escolas muita das vezes tecnocratas ou até tecnofacistas. O nosso modelo de educação é o de levar mão de obra para o mercado. Animais para o abate. E não passam o que seria de fato o essencial: o conhecimento.

Falo e cito exemplos dos nossos cursos da área de humanas onde indivíduos chegam a passar por oito ou dez períodos de seus cursos de graduação chegando ao final sem obterem o mero conhecimento, digo de provar a obra dos nossos intelectuais, ou de vergonhosamente nem se quer conhecer o nome dos nossos mestres. Por causa da barbárie exposta pelo sistema educacional, que tende a massacrar a nossa cultura em nome de um mercado globalizado.

Digo isto por ser o conhecimento fonte de poder e de dominação entre os países e entre as lutas de classes. É preciso o conhecimento histórico para não cair, nos mesmos erros. Reviver o passado para projetar melhor o futuro em outras palavras. É preciso o conhecer e o autoconhecer, aprender a ser: “conheces a ti mesmo e conheceras os deuses”. E ao que me parece ser esse não é o caminho adotado pelos os que fazem as nossas escolas. Serão eles enfim os inimigos da sabedoria?

Um projeto de lei (utópico) - O do senador Cristovam Buarque - tende a obrigatoriedade dos filhos dos parlamentares a cursarem em escolas públicas! Acho que seja assim um meio cirúrgico eficaz de combater a má qualidade do nosso ensino público. Outro ponto que vou abordar brevemente é que enquanto nós andamos preocupados em dominar o idioma inglês o presidente Obama já impôs o idioma mandarim para suas filhas. A china vem seguindo o caminho de ser a maior economia e a maior potencia armamentista deste século para alguns especialistas no assunto. Conclusão: “puder é conhecimento” ou “conhecimento é puder”.

“O sistema não pode ser visto tão só em função do cumprimento de suas tarefas básicas (pesquisa. Docência e prestação de serviços), espécie de empresa destinada a produzir certo output. Também consiste numa forma de sociabilidade, num modo de vida pelo qual pessoas se formam e interagem através de certas regras e objetos domesticados. (...) A maioria das aulas e das pesquisas fabricadas numa universidade se reduz a mero ritual que alimenta um organismo em profundo estado de coma. De outro lado, porém, como tudo há de ser novo, como a própria novidade é programada, vive-se a contradição de experimentar as aventuras e as incertezas do invento, cujo produto, entretanto, escoa por velhos canais. O intelectual contemporâneo, no fundo, é um animal com má consciência . (...) Foi possível então viver a decadência do ocidente e a centrifugação da razão duma forma pragmática, marginal, meramente reativa, sem acompanhar de perto as vicissitudes duma cultura que assistia à dissolução de seus fundamentos mais tradicionais. Do esforço restaurador da fenomenologia, apenas restou entre nós alguns ecos: da tentativa heidggeriana de repensar as categorias práticas. Sobrou-nos apenas o ataque à ciência, tão caro aos integralistas. Quando chegou a onda da filosofia analítica, esta foi confundida com o racionalismo de Popper e ambos foram condenados na base de alguns argumentos sacados dos filósofos frankfurtianos. Nos primeiros tempos, a nova filosofia da lógica foi considerada arma de dominação imperialista. Até mesmo sacudidelas que nos traziam as primeiras bienais nunca chegaram a levantara questão que animava o abstracionismo: como reinventar o mundo; a abstração entre nós foi quase sempre uma forma de decorativismo. E no amortecimento dos choques culturais provenientes das metrópoles, as universidades colaboraram no sentido de reforçar o lado mais velho, acaciano. Na verdade, ganhou-se em profundidade e sistemacidade, sobretudo surge uma produção contínua, cada obra começando a se engatar na outra e trazendo, assim a esperança de se ter uma tradição. Mas me parece inegável que a produção intelectual de hoje, irremediavelmente marcada pela presença da universidade, não tem o alento e o gosto de aventura que marcaram as obras da década de 20. (“...) A universidade contemporânea não é um templo de saber, mas uma espécie de supermercado onde as classes médias e aqueles que nela pretendem entrar lutam por um título que lhes garanta o monopólio duma profissão ou lustros subsidiários” (JOSÉ ARTHUR GIANNOTI)



DICAS DE LIVROS:

-“RAUL SEIXAS: FILOSOFIAS, POLÍTICAS; A VERDADE ABSOLUTA”. Mario Lucena. Macbel oficina de letras, 2002.

-“UNIVERSIDADE EM RITMO DE BARBARIE”. José Arthur Giannoti. Editora Brasiliense, 1986.

-“INTRODUÇÃO À FILOSOFIA”. Paulo Ghiraldelli Junior. Manole, 2003.

-Célio limA

FILOSOFANDO À TOA.

OBS: Célio limA. É filosofo por natureza; anarquista por tesão e poeta por diversão. Membro fundador dos movimentos literanarkos: a Sociedade dos Filhos da Pátria; A Liga Espartakista-Sempre Mais!!!. Atua nos Blogs:http://salveopoetasalve.blogspot.com ; http://sexopoemaserocknroll.blogspot.com/ ; http://poetasdemarte.blogspot.com/ .

Atualmente cursa: FILOSOFIA-UFPE.

3 comentários:

  1. Naturalmente muioto acadêmicos na irão curtir as críticas dessa coluna hahahahaha

    ResponderExcluir
  2. Os cursos de humanas são sempre os mais sucateados, em todos os sentidos... (Não que tbm nao existam muitas coisas ruins e erradas nos outros, veja bem!)Estudo numa faculdade considerada uma das melhores do Brasil... e volta e meia eu me pergunto: isso é mesmo o melhor???

    Filhos de parlamentares no sistema público? APOIADO!

    ResponderExcluir
  3. Para mim é o seguinte: pões os filhos deles na ecola pública 2 e paga um salário mínimo para eles: assim agente descobre se eles irão continuar representando o povo hahahah ou seu irão pular da caravela por que o que eles queriam mesmo era o ouro dessa colônia de férias hahahahahaha

    ResponderExcluir