Viajantes Interplanetários

E-MARTE: Cadastre-se para receber nossas novidades em primeira mão!

quarta-feira, 27 de julho de 2011

NOVELA DA HORA

MÃO DUPLA

­­­­­­CAPÍTULO C

Fred Caju outro dia me contou que esteve com o Pedro no dia em que ele saltou. E me dizia: “O bicho era mesmo cabeça dura”. O CFCH em fim fez mais uma vítima...

A bandeira da prefeitura de Arcoverde amanheceu a meio pau, depois da notícia ruim divulgada na noite anterior. O IML só liberou o corpo no dia seguinte, ao ocorrido, às sete horas da manhã. E a FOLHA já estampava na capa uma notícia bombástica para a reputação da Universidade:

FILHO DO POLÍTICO MAIS INFLUENTE DE ARCOVERDE PULA DO PRÉDIO DE FILOSOFIA DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO. CFCH FAZ MAIS UMA VÍTIMA.

A investigação duraria dias. E como o Pedro não era mais aluno daquela instituição a coisa se tornou mais morosa ainda. O que o Caju não me contou, mas fiquei sabendo depois, é que ele foi convocado a depor várias vezes – afinal foi ele a última pessoa que esteve com a “vítima. Naquela madrugada, o legista acharia no bolso do Pedro o mesmo poema que ele havia lido anos atrás no jantar tragicômico, ao qual eu também fui personagem...

****


IDEIA FIXA

Oito horas da manhã corro e pego ônibus

Que está lotado, apertado, eu todo suado:

Mas penso em ti.


Meio dia, saio outra vez atrasado para o almoço

Levo chuva e sol, mas consigo chegar ao restaurante

Onde a fila de antes era menor... Meu Deus!

Mas eu penso em ti.


Volto para a muvuca por volta das treze,

E caminho pelo centro entre putas, anões, gays,

Punks, velhos e os ditos “normais”:

Mesmo assim ainda prossigo pensando em ti.


E no jantar solitário, na minha quitinete, depois

De toda uma via crúcis na volta para casa, ainda

Continuo pensando em ti.


Nem quando durmo tu me escapas,

Por que continuo sonhando acordado:

contigo.

Éeee depois de ler um poema desses, logo de cara, o jantar prometia ser bastante conturbado aquela noite. Pedro estava muito nervoso, não tolerava o Medina. Na verdade desconheço alguém, fora a Carla, que gostasse daquele chato. Mas pela amizade, dela, e pelo pedido do Pedro, me sacrifiquei naquela aventura noturna – que como diria Luis Fernando Veríssimo: “Mais parecia uma roleta russa gastronômica”.

CONTINUA...

Um comentário: