Viajantes Interplanetários

E-MARTE: Cadastre-se para receber nossas novidades em primeira mão!

sábado, 30 de março de 2013

A UM SUJEITO CHAMADO CAJU


Caju, você não me engana,
Conheço bem o seu tipo,
Recitador e pé-de-cana
De palavreado bonito

Eu te conheço bem, seu sacana,
E você pode enrolar quem quiser,
Menos a mim, porque lorota boa
é assim, feito fruta tirada do pé

Eu vou lhe dizer uma verdade,
E pra quem mais quiser escutar
Ouçam, meninas de pouca idade,
Que é para os olhos iluminar

Esse Caju, não é rapaz direito,
Desses que sua mãe procura,
É amargoso e cheio de defeito,
E nem parece fruta madura

Essa historinha de poeta marginal
Falando das dores do planeta
É só história para comer buceta
E fazer alguém chupar seu pau


(Inácio Carranca)



E você aí vacilando sabendo que hoje tem

4 comentários:

  1. limerique

    Pois é, sempre desconfiei que Caju
    Nunca se comporta como eu e tu
    Ele fica de botuca
    Armando arapuca
    De olho num incauto para comer o cu.

    ResponderExcluir
  2. Limerique

    Poeta de filosofia profunda
    Produtivo de segunda a segunda
    Mas, está nos anais
    Algo que gosta mais
    Caju é fissurado por uma bunda.

    ResponderExcluir
  3. Poeta é o taralho31 de março de 2013 14:42

    Limerique

    O poeta vai do Oiapoque ao Xingu
    Esse ser persistente é Fred Taju
    Não um andar bisonho
    Ele protura um sonho
    O vate torre mundo em busca de tu.

    PS – Peço destulpas, meu tetlado está tom defeito quando tetlo “T” aparete “T”.

    ResponderExcluir
  4. palavra crua, agrura é prazer em poesia,



    abraço

    ResponderExcluir