Viajantes Interplanetários

E-MARTE: Cadastre-se para receber nossas novidades em primeira mão!

quinta-feira, 30 de maio de 2013

ALHOS & BUGALHOS

“EU é um outro”
Arthur Rimbaud
  

Num livro tribal muito conhecido no ocidente – precisamente no Evangelho de São Marco, 5:9 – um possesso denomina-se “Legião (...) pois somos muitos”, mas o Filho do Homem exorciza-o e transfere Legião para uma vara de suínos.
Hoje pela manhã descascava cabeças e dentes de alhos, creio que me levaram quinze minutos. Esqueci de ligar a tevê ou algum som, também não tinha saído de nenhum texto que li ou escrevi. Ou seja, estava descascando alhos completamente só. Nisso, não demorou muito e comecei a falar comigo mesmo, mas sem voz. Minha legião estava me fazendo retornar entre 2003 e 2006: quando comecei a esboçar a vontade de escrever poesia.
Naquela época intui certamente que havia muitas vozes dentro dos meus quase-poemas. Apesar do acerto, havia um equívoco aceitável para quem já começava a se achar um poeta.  Havia, sim, conflitos harmônicos nas temáticas e nas estruturas que utilizava. Entretanto, poucos eram meus.
Na maioria das vezes não escrevia, deixava-me escrever. Outras gerações, outras vozes, outros outros. Não sei bem quando comecei a transformar os “outros” em “eus” – alteridade, acredito, não é dádiva, é conquista paulatina. Sei, porém, que quando comecei a exorcizar o que não me pertencia mas estava dentro de mim, pude começar a ser outros e, finalmente, deixar de ter outros.


Fred Caju 
(aquele do Sábados de Caju, saca? não? pô... é...)
        

8 comentários:

  1. e num é que é
    a gente precisa fazer esta faxina sempre

    senão poesia vira cerume rsrsr

    abs

    ResponderExcluir
  2. Vaya, Antonio, no te conocía este blog.
    Hay mucho variado e interesante para leer, asi que te incluyo entre mis favoritos para ir leyendo.

    Un abrazo.

    Namasté.

    ResponderExcluir
  3. Alteridade psíquica é aventura muito perigosa. Pode ser uma conquista para toda a vida (e até outras "reencarnações"). Mas nunca deixa de ser um campo minado (muito perigoso). O melhor é tentar atravessá-lo paulatinamente, com muito cuidado, sem queimar etapas.

    Zé de LARA

    ResponderExcluir
  4. E o cristianismo sempre querendo unidimensionar as personalidades e animalizar o que não se tem censura, nem nunca terá.

    ResponderExcluir


  5. Hello, António Eduardo Lico.

      Lovely your works, full of joy.

      Thank you World-wide LOVE, and your Support.

      The prayer for all peace.
      I wish You all the best.

    Have a good weekend. From Japan, ruma❃

    ResponderExcluir
  6. Ainda bem que existe a poesia para exorcizarmos nossos outros!

    ResponderExcluir
  7. Boa noite!

    Parabéns pelo primoroso trabalho.

    Abraços

    Sinval

    ResponderExcluir
  8. essa é minha faxina terapêutica desde 1997, quando escrevia minhas primeiras modinhas para as fêmeas que começavam fazer parte do meu sub-consciente-presente mundo =]

    ResponderExcluir