Viajantes Interplanetários

E-MARTE: Cadastre-se para receber nossas novidades em primeira mão!

terça-feira, 21 de maio de 2013

PROMESSA DE CAMPANHA


Vou tentar fazer uma poesia
Para a população bezerrense
Que por aqui vivem e moram
As vezes com sutaque da terra
Hora conversando de um jeito diferente
Se parecendo mais com o povo recifense
Gente que por lá vivia e depois voltou.

Vou tentar fazer uma poesia
Para esse povo trabalhador
Que nos fins de semana se acomodam nos templos
Outros nas budegas, bares, praças
Pros que também ficam em casa
Vão ai meus versos de pouco valor
Versos simples e com muito amor.

Recordando sempre daqueles belos dias
Onde caminhava pela praça da matriz
subindo e descendo ladeira feito um infeliz
Cumprimentando até quem eu não conhecia
Pensando sempre no que eu mais queria
Se era ser poeta, um simples bebado ou um crente
Deixar nessa cidade uma marca só minha e que fosse diferente.

Me peguei apenas pensado
Quando me dei conta estava arrudiando
Lá pela subida do fórum que vai dar na santa
Aquela estátua de anatomia um tanto duvidosa
Olhei pra ela e me pergutei:
Aonde foi que eu errei?
Não consegui ver ali nem paz nem esperança.

Passei pelo tempo que ainda hoje me mantem vivo
Abri os braços, senti o vento dei um belo sorriso
E mesmo sabendo que por aqui o futuro ainda é muito pouco
E que tem gente que se aperreia
Muda de cidade e se afugenta
Resolvi ficar por aqui
Pois é muito gostoso de se ouvir uma promessa de campanha.

Já teve cidadão de cara limpa e alma lavada
Que além de se preocupar com a educação e as escola
Abriu a boca e prometeu
Trazer para a cidade uma fabrica bem modesta
Não ia faltar emprego, ninguém viveria de esmola
O nosso candidato tava era falando
Da fabrica sede da coca-cola.

E que ninguém depois me venha com críticas
Ou me chame de mentiroso
Porque faz muito pouco tempo que outro apareceu
Se dizendo melhor do que os outros
E que tudo o que falava depois cumpria de verdade
Disse que estava assim com o Governador
E que ia trazer para Bezerros um mini porto de suape.

Trabalho de contrato, o mesmo disse que desaprovava
Eita homem pra falar bonito
Acho que era por isso que no comício
O vice candidato da chapa dele nem falava
O Homem prometeu olhando para a platéia
E sem perder seu jeito único no meio do discurso
dentro dos primeiros quatro anos realizar um concurso público.

Eita que depois disso eu já sabia
Que ele seria eleito, seria o futuro prefeito da cidade dos Bezerros
Como de fato aconteceu
E agora por onde eu passo é o povo tudo contente
Tem gente de Saíre, Camocim, Caruaru, Gravatá
Tem gente que para não me deixar perder o verso
Quer sair até de catende e aqui vim morar.

Jesus Cristo e agora como é que vai ser?
Onde é que vai caber tanta da gente?
E como vai ficar a vida nessas outras localidades?
Ninguém pensou nessa possibilidade
É nessas horas que me pergunto quem é que ganha
Nas promessas de campanha
A fabrica da coca-cola ou o mini porto de suape?

J. Marcelo Barbosa

2 comentários:

  1. HOLA QUERIDO AMIGO
    GRACIAS POR VENIR A COMPARTIR LA TACITA DE TÉ DE LOS MARTES, ES UN HONOR PARA MI, ME SIENTO ACOMPAÑADA Y FELIZ. NO HAY DISTANCIA QUE SEPARE CUANDO DE AMISTAD SE TRATA. UN BESO GRANDE.
    CARIÑOS MILES.

    ResponderExcluir