Viajantes Interplanetários

E-MARTE: Cadastre-se para receber nossas novidades em primeira mão!

domingo, 13 de abril de 2014

A.A.de Assis

Encontrei haicais de muito bom gosto de A.A.de Assis e compartilho com todos do planeta vermelho. Deliciem-se!
 
 
 
54.
Vós que, sobrevivos,
a mais que os demais amais,
uni-vos, uni-vos.
 
55.
Repicam os sinos.
Os mesmos de nós meninos,
na velha matriz.
 
56.
Colibri esvoaça.
Tem rosa nova, solteira,
no jardim da praça.
 
57.
Voa, voa, voa,
faz a cera, faz o mel,
abelhinha boa.
 
58.
Um cisco no chão.
Ah, não era cisco não.
Era uma esperança.
 
59.
Menino de rua.
Protege-o, Dindinha Lua,
dá-lhe colo, dá!
 
60.
Pião da saudade.
De uma era em que era franca
a felicidade.
 
61.
Um vaso de avenca.
Minimíssima floresta.
Mas é verde, é festa.
 
62
Chocados os ovos,
há o choque dos seres novos.
E a vida prossegue.
 
63.
Levantar cedinho.
Mens sana in corpore sano.
Ouvir passarinho.
 
64.
Curvam-se as roseiras.
Jogam as rosas, felizes,
beijos às raízes.
 
65.
Rola a Lua, rola.
Os mísseis zumbindo ao lado
e ela nem dá bola.
 
66.
De amor são seus uis.
As lágrimas que ela chora
devem ser azuis.
 
67.
Lua na montanha.
Me faz um favor, me faz:
sobe lá e apanha.
 
68.
Crianças na praça
cantando canções de roda.
Volta a paz à moda.
 
69.
Leio no jardim.
Idéias há e azaléias
em redor de mim.
 
70.
É um impasse e tanto:
trabalho, o canto atrapalho.
Nesse caso, canto.
 
71.
Olá, senhor Sol.
Bem-vindo ao nosso domingo.
Praia e futebol.
 
72.
Ah, havia o espaço.
Ave havia e havia ação.
Ave… avi…ão.
 
73.
Contam casos… súbito,
Negrinho do Pastoreio
passa bem no meio.
 
74.
Onda e sol… Floripa.
Tem lugar para mais a um.
Pega a prancha e… tchum!
 
75.
Trenzinho da serra…
Pa… Pa-ra-ná… Pa-ra-ná…
pra Paranaguá.
 
76.
De perder a voz.
Água, água, água, água.
Cataratas – Foz.
 
77.
Presépio do Sul.
Curitiba dos pinheiros
e da gralha azul.
 
78.
É chegar e amar.
Ri o Rio o ano inteiro.
Samba, sol e mar.
 
79.
Dim-dim-dão… dim-dão…
Os sinos de San-del-Rey
sempre em oração.
 
80
Bahia das festas.
De todos os sábios – tantos.
De todos os santos.
 
81
Aguinha de coco.
Areia, arara, caju.
Ah… é Aracaju.
 
82
Jangada ao luar.
Lagosta ao vinho depois.
Fortaleza a dois.
 
83.
Blem… Belém… blem-blem…
No Círio de Nazaré,
os sinos da fé.
 
84.
O tempo e a distância.
A festa de São Fidélis.
Transfusão de infância.
 
85
Armas e barões
muito além da Taprobana
ecoam Camões.
 
86.
Tela brasileira.
Um sabiá na palmeira
de Gonçalves Dias.
 
87.
Rosa, Rosa, Rosa,
ó Rosa das rosas ledas!
Dos sertões: veredas.
 
88.
Releio Pessoa.
Finjo tão completamente,
que a tristeza voa.
 
89.
Leoni, o poeta
da Petrópolis azul.
Alma azul. Raul.
 
90.
Luar no sertão.
Ah que falta faz Catulo
com seu violão!
 
91.
Bem-te-vi, Cecília,
nos ramos da madrugada.
Cantando, encantada.
 
92.
Mais do que Bandeira,
sobretudo Manuel.
Ou mais: man well.
 
93.
To you, tuiuiú.
Parabéns para você.
Happy bird are you.
 
94.
New York, New York,
make love, not work.
Ah, I love you!
 
95.
Passa a teoria
por debaixo do arco-íris.
Vira poesia.
 
96.
Pilhas de currículos.
Vencedor: o sabiá.
Sabia cantar.
 
97.
O sorriso é um dom.
Sorrindo você faz lindo
o seu lado bom.
 
98.
Aplainai as trilhas,
forrai-as de relva e flor.
Vai chegar o Amor.
 
99.
Brinquemos, irmãos.
Vamos dar as nossas mãos.
Brinquemos de paz.
 
100.
De braços abertos,
sobe o pinheiro. Subindo,
deixa o céu

m
a
i
s
l
i
n
d
o
 
A. A. de Assis. Poeminhas (à moda de haicais). Marinha Grande/Portugal: Biblioteca Virtual “Cá Estamos Nós”. Outubro de 2004

3 comentários:

  1. Muito bons, adorei esse em referência a Guimarães Rosa/Grande Sertão: Veredas:
    "Rosa, Rosa, Rosa,
    ó Rosa das rosas ledas!
    Dos sertões: veredas."

    ResponderExcluir
  2. O "90" faz uma menção à Catulo das Paixões Cearense. É dito por aí que ele serviu de inspiração para a criação de Ricardo Coração do Outros do livro "O Triste fim de Policarpo Quaresma".

    ResponderExcluir