Viajantes Interplanetários

E-MARTE: Cadastre-se para receber nossas novidades em primeira mão!

quinta-feira, 7 de outubro de 2010

CONFRONTOS E CONFLUÊNCIAS

          Alô, alô, planeta Marte! Minha falta de tempo nas últimas semanas tem sido grande. Muito grande. Por isso vou ter que pedir desculpas antecipadas pela queda de qualidade nessa quinta-feira na coluna Confrontos e Confluências. E hoje não cai somente a qualidade, cai até o número de poetas para ilustrar nossas empreitadas de quinta (olha o trocadilho). Devido ao tempo escasso vou trabalhar com 50% da capacidade que a coluna tem de colocar os poetas no ringue ou de mãos dadas. Isso, hoje só rola um poeta no palco.
          E o poeta não é lá essas coisas: não é nada mais que um fruto metido a fazedor de versos. Fred Caju de novo. Estão pensando que em Marte não existe peixadas, clientelismos e nepotismos? Pois é, me auto-beneficiando cá estou. Entretanto, o fato de ilustrar a coluna sozinho, não quer dizer exclua a essência do Confrontos e Confluências. Marinho / Celeste é um confronto entre o azul e o azul. Esse é um poema que pode ser lido de três maneiras: uma leitura corrida (Marinho / Celeste); desprezando a coluna direita (Marinho); e/ou desprezando a da esquerda (Celeste). Então, meus caros, façam suas apostas e escolham o seu lado.

MARINHO / CELESTE
Vertiginosamente azul. Azul——————
(Carlos Pena Filho)——————


——————No mar bravio,
——————nenhum navio:
——————a solidão.

No céu anil,——————
o vôo sutil:——————
um gavião.——————

——————Ondas quebradas,
——————peixes sem nada:
——————resignação.

Nuvens paradas,——————
aves aladas:——————
nenhum trovão.——————

——————O mar balança,
——————vem a bonança:
——————a recessão.

Sem esperança,——————
o ar não dança:—————
estagnação.——————


(Fred Caju)


5 comentários:

  1. Fred Caju cada dia mais afinado, cara que poema da porra!

    ResponderExcluir
  2. Fred Caju!
    Vim conhecer este espaço e gostei muito...
    Começo a seguir...
    Bjs
    Elenir

    ResponderExcluir
  3. A - B - AB - B - A - BA
    Independente da forma, o poema informa sobre: o mar; o azul e o navio, o "ÃO" não cansa, nem excede no "~". Nepotismo é coisa feia, peixada e clientelismo também, mas nesse caso até um ortodoxo diria: "Amém".
    Abraço Doutor Caju!

    ResponderExcluir