Viajantes Interplanetários

E-MARTE: Cadastre-se para receber nossas novidades em primeira mão!

quinta-feira, 7 de outubro de 2010

É com muito orgulho que apresento mais um poeta bezerrense nesse blog:

COM VOCÊS: Jacques Fernando de Vasconcelos

Cleopatroniana

Fogo furor afago

Água amor amargo.

Sorriso; doce anjo.

Pele; pétala macia.

Temperamento; manso arcanjo.

Mulher; fêmea supremacia.

Na memória sou Álvares, nos versos transpiro Castro.

Minha sudorese irriga a semente que germina nos jardins cárdicos

Meu odor suspeito Hermes exala Afrodite, faz mover paralíticos

E mudo abrir-se em cânticos.

Minha musa de boca macia e carnuda

Na eterna, sugere as fábulas dos poemas de Neruda.

Constante cartaz de busto polido pela própria Vênus.

Lábios simétricos aos contornos de uma concha no pé de praia.

Deusa que tirei do pedestal como brisa leve; suculento lábio,

Que lapida a voz que encharca minha audição hábil.

Entretanto ilúcida, na tonteira cai sempre nas barbatanas alheias de

Um boto

Como uma onda que arrebenta em Cala Di Sotto.

Nenhum comentário:

Postar um comentário