Viajantes Interplanetários

E-MARTE: Cadastre-se para receber nossas novidades em primeira mão!

sábado, 9 de outubro de 2010

Receita Musical - Aula número 5

Olá! Hoje vamos continuar analisando a figura da aula anterior, observando partes que não foram comentadas na aula 4. Vamos ver mais uma vez a figura

1 - Laranja - Mostra o conjunto de teclas que que compreende o intervalo de oitavas entre as notas Dó1 e Dó6 (vimos detalhes sobre isso na aula passada).
2 - Vermelho - Mostra o conjunto das notas graves representados pela Clave de Fá. Observem que a chave vai até o Dó3, mas isso não significa que a Clave de Fá só pode ser utilizada até o Dó3, essa chave denota os sons graves e é por isso que termina no som médio do Dó da chave. Observem também que há uma extensão da chave vermelha, na cor marron, que vai até o Sol3, esse seria o limite aconselhável para se escrever na Clave de Fá, afim de se evitar muitas linhas suplementares.
3 - Azul - Compreende o intervalo entre os sons médios e agudos, representados pela Clave de Sol. A exemplo da extensão da chave vermelha, a chave azul tem uma extensão azul escura que mostra o limite recomendável da escrita em Clave de Sol, a nota Fá2 ou até o Mi2 depois disso o número de linhas suplementares fica excessivo.
Já é do nosso conhecimento que as oitavas são fixas Dó1 é Dó1, posso até dizer que ele é um Dó2010, mas ele soara como Dó1 para os padrões musicais, ok?! Pois bem, vamos esquematizar o seguinte:
Quando nos utilizarmos das Claves de Fá, Dó e Sol pensaremos na extensão mínima e máxima recomendável para a escrita dos sons nelas (baseado na figura que vimos na última aula com o nome de cada tecla branca do Lá(-2) ao Dó7).
Da nota Lá2 à nota Sol3.
______________________________________________________
Dependerá da linha onde estará escrita. Já podemos adiantar que a Clave de Dó pode ser escrita na 1ª, 2ª, 3ª e 4ª, a contagem das linhas do pentagrama é de baixo para cima (quanto ao porquê disso falaremos mais a frente).
______________________________________________________

Da nota Mi2 à MiSol5, quanto as notas acima do Sol5 existem recursos que faciliatam a escrita, desses recursos falaremos mais a frente.
Eis que surge à nossa frente a famosa Clave de Sol. Essa que é a Clave mais popular de todas, a mais lida e estudada pelos músicos, profissionais e amadores. É com ela que passaremos grande parte do nosso tempo daqui para frente. Porém, não costumo recomendar o desprezo de nenhuma Clave, por essa razão, um vez ou outra estaremos vendo um exemplo nas Claves de Fá e de Dó.
Como prometidado na aula 3, vamos falar agora sobre a Clave de Sol. Como já é do nosso conhecimento a Clave de Sol é a responsável pela escrita dos sons agudos. Instrumentos como o violino, violão, guitarra, piano (mão direita), viola sinfônica e caipira, flauta (doce e transversa), clarineta, oboé, entre vários outros. A Clave de Sol indica que a segunda linha do pentagrama será um Sol3.
Uma curiosidade! Muita gente utiliza a Clave de Sol como sendo a letra "S", porém, na notação saxônica (utilizada na Grécia antiga e até hoje em países eropeus, como Alemanha e Inglaterra. Nessa notação Dó é C; Ré é D; Mi é E; Fá é F; Sol é G; Lá é A; e é B. "Observem que o Dó é C e não A, que seria mais lógico, já que Dó é a primeira das 7 notas e "A" é a primeira letra do Alfabeto. Isso é porque, a exemplo do Piano que começa com um Lá(-2), a Líra grega, instrumento parecido com a harpa muito usado na idade antiga, tinha sua nota mais grave em um Lá, por essa razão a nota mais grave recebeu a primeira letra do alfabeto grego, o alfa") a nota Sol é representada pela letra G. A Clave de Sol, como a conhecemos hoje, nada mais é do que a evolução da grafia da letra G, indicando o local da nota Sol3, no começo do pentagrama. Essa mesma explicação cabe às Claves de Fá, letra F, e de Dó, letra C. Cuidado para não escrever "múgica" por aí! rsrsrsrs
Vamos visualizar a seguinte figura:

Podemos visualizar nessa figura que a lógica da escrita em Claves é simples. As notas comuns às três Claves surgem a partir do momento em que surge a nota Dó3, nesse ponto podemos ver quando a escrita passa a ser mais interessante quando escrita na clave correta. Se formos escrever para um instrumento ou voz que tenha uma extensão média dos sons fica claro que devemos utilizar a Clave de Dó, nesse caso na terceira linha do pentagrama.
Vimos até agora os elementos básicos para localizarmos as notas no pentagrama. A partir da aula 6 passaremos para os detalhes da escrita, ´mas sempre seguindo moderadamente! Até a próxima aula!

Um comentário:

  1. Cuidado para não escrever "múgica" por aí! kkkkkkkkkkkkkkkkk
    irreverente é ele

    pow cara tamo avançando vamos lá p uma Clave hehehee

    ResponderExcluir