Viajantes Interplanetários

E-MARTE: Cadastre-se para receber nossas novidades em primeira mão!

quarta-feira, 22 de junho de 2011

Quando Junho chora

Ninguém escapa da chuva.
Ela que vem vestida de gotas úmidas
E de cor fria.

Ninguém escapa da chuva
A solsticiana molhada:

Engravida a terra
E inunda as cavernas.
Encurrala bebuns
Em longas tabernas.

Dar-se sem um abrir
Ou fechar de pernas.

Vem sempre chorando
E atirando seus espermas
Essa velha conhecida
Da moça primavera.

Invadindo os campos,
Molha de Filipinos a Belgas,
E até os mazelados
Envoltos à favelas.

Até que nós em pele
À grande alegria,
de nos envolvermos
Em morenas frias.

D.Everson 21-06-2006 
(do livro Poemas do s(ó)l)

Nenhum comentário:

Postar um comentário