Viajantes Interplanetários

E-MARTE: Cadastre-se para receber nossas novidades em primeira mão!

sábado, 18 de junho de 2011

MILK SHAKE LITERÁRIO


No Poetas de Marte:
Esse Sábado é de Caju.


HAICAI DE 24 HORAS
Minha lua começa,
literalmente falando,
no fim do meu sol.
(Fred Caju)
Sejam bem vindos a mais um MilkShake Literário :D
Essa semana vou desconstruir a rotina e sair um pouco do meu mundo romântico para vir conversar com vocês sobre o mundo poético, e sobre este último eu pouco ou nada entendo... Mas adoro investigar coisas novas e vencer barreiras. E eu gostei tanto, tanto dessa leitura que precisava vir partilhar o momento com vocês... Sem mais demoras, como o próprio título revela, vou comentar sobre o mais novo livro do queridíssimo Fred Caju :)
Muito antes de conhecer o referido poeta e me tornar companheira de blog do mesmo, eu já lia os panfletos poéticos deixados por ele nas bibliotecas do Centro de Filosofia e Ciências Humanas (CFCH) e no Centro de Artes e Comunicação (CAC), onde ambas pertencem à rede de bibliotecas da UFPE. E por intermédio de D. Everson, eu acabei por tomar conhecimento da sua vasta fábrica de E-books, e quer saber? Não parei mais! O autor mantém uma produção constante e da qual sempre fico muito ansiosa para apreciar mais um novo exemplar.
Já li Jardim da Ausência (2007), Um Título Pouco Importa (2006-2008), Vênus (2008), Consumo Imediato (2008), 15 em 5 (2009), Monopólio da Solidão (2007 -2009), O Sol que vem do poente (2010), e os recentes Os Teimosos e a Poesia do Contra* (2010) e o tão esperado por mim Contradições Coerentes (2009-2011). E é sobre este último a prosa de hoje.
O livro consta de trinta e cinco poemas, divididos em quatro partes. Onde a “Parte A” contém os versos rimados, a “Parte B” os versos livres (isso não é muito fácil de encontrar, sei que Caju gosta de uma boa rima :D), na “Parte C” vem o enorme poema homônimo ao título do livro e de forma inovadora e totalmente aprovada por mim, na “Parte D” ele anexou cinco textos em prosa, que ficaram maravilhosos e em sintonia total com o conjunto da obra. Ah! Não posso deixar de comentar o belo trabalho de fotografias que faz a ilustração das páginas, que saíram diretamente das lentes do fotógrafo Kenia Chan e as próprias capas dos livros de Caju sempre são um poema a parte. Foi uma leitura reflexiva, divertida e empolgante, já até cadastrei no Skoob :D
Quem conhece o trabalho do poeta espero que já tenha conferido o seu lançamento e se deleitado com essas contradições coerentes que passeiam tão bem entre a poesia e a prosa. Para quem não conhece ainda, espero que se sinta tentado, após ler estas palavras, a ousar conhecer o Universo “Cajuíno” nos Sábados de Caju e visitar a sessão download, onde todas as obras que citei e muitas outras se encontram. E enquanto o próximo e-book não vem, eu fico a apreciar a coluna semanal do Confrontos e Confluências, aqui mesmo, no Planeta Marte.
Agora eu deixo vocês com mais um pouco das palavras do grande poeta:
DESUMANOS DAS HUMANAS
Trata-se do curioso grupo
dos produtores do saber
das ditas Ciências Humanas:
os mais eloqüentes do mundo.
São elitistas verborrágicos
escondidos atrás dos livros
e das suas teorias insólitas:
muito se lê, pouco se faz.
Enclausurados por si mesmos,
divagam sobre metafísica
nos mais diversos idiomas:
são tão cultos quanto herméticos.
Estendem a bibliografia
com uma mera referência
que poderia ser dispensada:
vaidosos acima de tudo.
A simplicidade dos gênios
cede lugar à arrogância
intelectualmente nata:
sapiência idem prepotência.
Sob o teórico-tutor,
permutam carícias e críticas
para também serem citados:
lidos apenas por si mesmos.
Estudam problemas sociais
sem pensar na sociedade,
mas sim pensando no currículo:
incansáveis buscando títulos.
Eles enaltecem as massas
em suas produções acadêmicas,
mas são herdeiros das elites:
o poder flui do discurso.
Em uma distância segura,
estudam casos de pobreza
com total precisão científica:
mais estatísticas sem metas.
Ainda almejam mudar o mundo
mesmo sendo conservadores,
mesmo sem pôr os pés na rua:
são contradições coerentes.
O CHORO DA CHUVA
Se hoje chove,
é porque você se foi...
Culpo a sua ausência
por essa tempestade...
Permanece chovendo:
você não voltará...
O sol brilhando
não é o seu retorno...
Apenas, por um momento,
esqueci que você se foi...
Em cada lembrança,
uma chuva fina cai no jardim...
Em cada tempestade,
é você no meu pensamento...
Entre sol e chuva,
você se vai, se vai, se vai...
E quem disse que poesia não tem nada a ver com romances?
Estava redondamente enganado :D
Recomendo a leitura do Texto – O TEMPO DA SOLIDÃO.
Por hoje é só.
Saúde e Paz a todos.
Beijocas :*
@LyCintra

* (Em parceria com D. Everson, Marcone Santos e Ane Montarroyos.)

3 comentários:

  1. Que grata surpresa, moça! Massa mesmo! Extremamente agradecido, tanto pelo texto da coluna pelo adiante no Skoob!

    E quanto ao próximo e-book, Lâmina de 3 Gumes está mais perto do que você imagina.

    ResponderExcluir
  2. gora fiquei com inveja, essa leitora é minha Caju, quero a resenha do meu livro novo por aqui se não ficarei com ciúme kkkkkkkkkkkkkkkkkk
    Ly como sempre tá massa a sua resenha, sucesso gata!


    Caju essa issa aqui DESUMANOS DAS HUMANAS não é poesia é um soco nos dentes kkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkk desse geito vc envergonha os acadêmicos citando tantas qualidade deles, conheço uma meia duzia que iria ficar vermelha lendo esse poema hahahahahahahhaa

    ResponderExcluir
  3. Olá, desculpe invadir seu espaço assim sem avisar. Meu nome é Nayara e cheguei até vc através do Blog Catia Bosso Poesias. Bom, tanta ousadia minha é para convidar vc pra seguir um blog do meu amigo Fabrício, que eu acho super interessante, a Narroterapia. Sabe como é, né? Quem escreve precisa de outro alguém do outro lado. Além disso, sinceramente gostei do seu comentário e do comentário de outras pessoas. A Narroterapia está se aprimorando, e com os comentários sinceros podemos nos nortear melhor. Divulgar não é tb nenhuma heresia, haja vista que no meio literário isso faz diferença na distribuição de um livro. Muitos autores divulgam seu trabalho até na televisão. Escrever é possível, divulgar é preciso! (rs) Dei uma linda no seu texto, vou continuar passando por aqui...rs





    Narroterapia:

    Uma terapia pra quem gosta de escrever. Assim é a narroterapia. São narrativas de fatos e sentimentos. Palavras sem nome, tímidas, nunca saíram de dentro, sempre morreram na garganta. Palavras com almas de puta que pelo menos enrubescem como as prostitutas de Doistoéviski, certamente um alívio para o pensamento, o mais arisco dos animais.



    Espero que vc aceite meu convite e siga meu blog, será um prazer ver seu rosto ali.

    http://narroterapia.blogspot.com/

    ResponderExcluir