Viajantes Interplanetários

E-MARTE: Cadastre-se para receber nossas novidades em primeira mão!

quarta-feira, 1 de fevereiro de 2012

...


OS MUROS
(parte II)

E havia o muro
E muro
Era o obstáculo,
O limite,
E nada se podia povoar
Além do muro.

As mãos,
Tocadas de sonho e de azul
Ferem-se no muro,
As insensatas mãos
Desfazem o muro.
Mas é preciso recompô-lo,
A cada hora.
O muro é justo e verdadeiro,
Suas espáduas cansadas
Suportam nossos sonhos.
É preciso que ele seja
Para que as solidões não se debrucem
Sobre outras solidões
E teu sonho
E o meu
Não se confundam,
Para que a paz,
Fragmentada,
Livre de incertezas,
Caia sobre os jardins (particulares)
Nos pequenos retângulos,
Onde florescem as rosas
Todos os setembros.

(parte III)

Os altos muros
Não buscam as nuvens
Só os jardins escondem
Aos olhos dos que passam.
Os muros (altos):
Um brado de alerta
Um limite ao sonho.
(Ai, mãos, da loura menina,
Onde ireis colher as rosas?)
Os altos
Muros
Circunscrevem-se em si mesmos:
Como pálpebras cerradas.
Os muros
(altos)
Como um ponto final
(os passos interrompidos se interrogam).
Os muros,
Um obstáculo à tua voz,
Ao vento.
Onde as andorinhas?
No céu aberto navegam as nuvens
Mas os homens colocam cadeados
Nos portões
E acorrentam os sonhos.

(Maria do Carmo Campello de Melo /Obras completas – Música do Silêncio)


4 comentários:

  1. Muros? Três partes? Ah! Põe na radiola aí:

    We don't need no education
    We dont need no thought control
    No dark sarcasm in the classroom
    Teachers leave them kids alone
    .

    ResponderExcluir
  2. All in all it's just another brick in the wall.

    Muito Bom!

    ResponderExcluir