Viajantes Interplanetários

E-MARTE: Cadastre-se para receber nossas novidades em primeira mão!

quinta-feira, 1 de março de 2012

Poesia Matemática


Às folhas tantas
do livro matemático

um Quociente apaixonou-se
um dia
doidamente
por uma Incógnita.
Olhou-a com seu olhar inumerável
e viu-a do ápice à base
uma figura ímpar;
olhos rombóides, boca trapezóide,
corpo retangular, seios esferóides.
Fez de sua uma vida
paralela à dela
até que se encontraram
no infinito.
"Quem és tu?", indagou ele
em ânsia radical.
"Sou a soma do quadrado dos catetos.
Mas pode me chamar de Hipotenusa."
E de falarem descobriram que eram
(o que em aritmética corresponde
a almas irmãs)
primos entre si.

E assim se amaram
ao quadrado da velocidade da luz
numa sexta potenciação
traçando
ao sabor do momento
e da paixão
retas, curvas, círculos e linhas sinoidais
nos jardins da quarta dimensão.
Escandalizaram os ortodoxos das fórmulas euclidiana
e os exegetas do Universo Finito.
Romperam convenções newtonianas e pitagóricas.
E enfim resolveram se casar
constituir um lar,
mais que um lar,

um perpendicular.
Convidaram para padrinhos
o Poliedro e a Bissetriz.
E fizeram planos, equações e diagramas para o futuro
sonhando com uma felicidade
integral e diferencial.
E se casaram e tiveram uma secante e três cones
muito engraçadinhos.
E foram felizes
até aquele dia
em que tudo vira afinal

monotonia.
Foi então que surgiu
O Máximo Divisor Comum
freqüentador de círculos concêntricos,
viciosos.
Ofereceu-lhe, a ela,
uma grandeza absoluta
e reduziu-a a um denominador comum.
Ele, Quociente, percebeu
que com ela não formava mais um todo,
uma unidade.
Era o triângulo,
tanto chamado amoroso.

Desse problema ela era uma fração,
a mais ordinária.
Mas foi então que Einstein descobriu a Relatividade
e tudo que era espúrio passou a ser

moralidade
como aliás em qualquer
sociedade.

Millôr Fernandes.Tempo e contratempo.ed.Rio de Janeiro:O Cruzeiro,1954, p.sem número.


12 comentários:

  1. ótima escolha, apesar de odiar matemática tenho que reconhecer a poesia viva neste poema

    beijo

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. É engraçado como ouço as pessoas dizendo que odeiam matemática!

      Excluir
  2. Cristiano,
    Foi bom reler Millor aqui no "Poetas", eu já conhecia esse texto dele, acho que sou tão velho que devo ter lido na época que foi escrito. De qualquer forma, é uma bela postagem, JAIR.

    ResponderExcluir
  3. Não que eu queira fomentar a ridícula oposição português x matemática, mas fico com o Leminski:


    O assassino era o escriba

    Meu professor de análise sintática era o tipo do sujeito inexistente.
    Um pleonasmo, o principal predicado de sua vida,
    regular como um paradigma da 1ª conjunção.
    Entre uma oração subordinada e um adjunto adverbial,
    ele não tinha dúvidas: sempre achava um jeito
    assindético de nos torturar com um aposto.
    Casou com uma regência.
    Foi infeliz.
    Era possessivo como um pronome.
    E ela era bitransitiva.
    Tentou ir para os EUA.
    Não deu.
    Acharam um artigo indefinido na sua bagagem.
    A interjeição do bigode declinava partículas expletivas,
    conectivos e agentes da passiva o tempo todo.
    Um dia, matei-o com um objeto direto na cabeça.



    (Paulo Leminski)

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Fred, cajuíno amigo

      Você acaba de ofuscar o que seria minha próxima postagem. Seria justamente esta!

      Excluir
    2. Sinal que a gente pensa na mesma sintonia!

      Excluir
  4. A matemática torna-se pura poesia! E já não é?

    Ótima escolha.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Caro Fábio,

      Millor não se deveria apenas escolher, e sim, ler de forma compulsória!

      Muita paz!

      Excluir
  5. Esse se garante mesmo, para mim é o maior escritor ( em todos os estilos) vivo no Brasil.

    ResponderExcluir