Viajantes Interplanetários

E-MARTE: Cadastre-se para receber nossas novidades em primeira mão!

quinta-feira, 12 de abril de 2012

Alzheimer

Tire-me deste antro
Pois tudo está ao revés
Ao invés das mãos, os pés.
A confusão das sinapses
Devorou minha capacidade de amar
E o meu improvável encadeamento lógico
De ter fé.
O amor não comeu minha dor de cabeça
Minhas vontade e paciência se esgotaram para ler
Sobretudo, João Cabral...
(?????????)
Céus, acho que é Romano Santana.

Tire-me deste antro
O todo agora é parte e a parte
A mim, não participada mais nada.
(?????????)
E o que é o nada?

Minha libido se foi, nada tomou seu lugar.
Meus amores? Faleceram todos.
Ao menos isso é o que me dizem.
Não me recordo qual é a terça de Dó maior
Há muito não vejo minha filha brincar no quintal
Somente aos sábados (eu acho)
Esta balzaquiana vem à minha casa
Chamar-me de pai.

Estou encarcerado nas lembranças
Que nem possuo mais.
Tire-me deste antro.
Tire-me de mim mesmo
Meu mundo pereceu
Numa gama de abalos.

Este antro do qual lhe falo..
(?????????)
Como é mesmo sua graça?
Ah, sim!
Como eu dizia,
(?????????)
Este antro,sou eu.

8 comentários:

  1. Respostas
    1. Deve ter sentido um mal-estar, enciclopédico amigo! Não comentou com um de seus haicais!

      Excluir
  2. Tema espinhoso
    Mal que degrada o ser
    Me deixa nervoso

    ResponderExcluir
  3. Marcel

    Mal de Alzheimer
    És realmente um grande poeta. Deslumbrei-me.Em poucos minutos posso decorar seus versos.Mas,lembrar do nome do médico que descobriu esse mal é um bom exercício para a memória. Não vou conseguir decifrar o nome Doctor de quê? Alois Alzheimer. Acho que também estou acometida desse mal.
    O que eu dizia antes?
    Ah.. me lembrei
    Lindos versos
    Amei.

    bjs

    ResponderExcluir