Viajantes Interplanetários

E-MARTE: Cadastre-se para receber nossas novidades em primeira mão!

segunda-feira, 9 de abril de 2012

Expoentes da “Geração 65”: ESMAN DIAS


ACTA EST FABULA
                            A Domingos Alexandre

Morre o poeta.
Morre, com ele, toda a luz do mundo:
o espaço do seu rosto, o mar profundo,
a aurora e um pôr-do-sol escandaloso.

Morre o poeta e morre o Ocidente.
E o Oriente. E os pontos cardeais.
Morrem as estrelas. Morre o firmamento.
Morrem as sombras do pântano e o arvoredo,
todos os santos, todos os escribas,
os dias da semana, a quarta-feira.

E o próprio tempo, imóvel, que agoniza:
foi-se o olhar que no relógio via
a marcha, alegre e triste, dos ponteiros.

Morre o poeta.
Morre a alegria.
Morre tudo o que flui: morre a poesia.

Morre o poeta.
E morre o mundo inteiro.


Esman Dias
 

3 comentários:

  1. O poeta morre
    O mundo ensombrece
    Alegria escorre.

    ResponderExcluir
  2. Morre o poeta
    Deixa o mundo mais feio
    Morreu um esteta.

    ResponderExcluir
  3. Mas ei,
    o poeta não pode morrer.
    Morre sim, a carne
    Mas a poesia
    há de prevalecer.
    Então vive ele,
    Naquilo que soube escrever.

    ResponderExcluir