Viajantes Interplanetários

E-MARTE: Cadastre-se para receber nossas novidades em primeira mão!

quarta-feira, 19 de setembro de 2012

FILOSOFANDO À TOA-16


(Sobre Raul o inicio, o fim, e o meio)

Por: Célio limA.

“Nunca é tarde demais pra começar tudo de novo...”. (Raul Seixas).


Logo assim que fora lançado nos cinemas eu fui com muito entusiasmo assistir ao documentário “Raul O INICIO, O FIM E O MEIO”. Devido aos atrasos e as mudanças de datas fui com mais cede ao poço para degusta-lo. Vejo que confesso angustiado que fiquei um pouco decepcionado. Primeiro por tanto material o Raul ter para oferecer e que infelizmente não fora bem utilizado. O doc. Começa até com o ponto forte de mostrar a influencia musical que o Raul sempre se referira do baião de Luiz Gonzaga ao rock and roll de Elvis Presley. Se o doc. tivesse continuado nessa linha teria trilhado por um melhor caminho em termo de qualidade e não de “sensacionalismo” como o defini dias desses. Faltou ir fundo nas influencias, filosóficas, anarquistas, esotéricas das quais o Raul absorveu e as mexeu no seu caldeirão expressivo.

Digo isto por considerar o Raul um tropicalista fora da própria tropicália. E já que falei em tropicalismo o excesso constante da presença do Caetano Veloso no doc. fora no mínimo banalizante para não usar um termo “depreciativo” para o mesmo. O Caetano falar pelos cotovelos durante o vídeo, errar a letra de: “Ouro de Tolo”, já não basta ele ter desgraçado “Maluco Beleza” no tributo “O Baú do Raul”(2004), além da própria “Ouro de Tolo” na coletânea/tributo “RAUL SEIXAS: O INICIO, O FIM E O MEIO”(1991). E ter na ultima fala do filme novamente Caetano, isso ninguém merece aturar. Creio que o Sr. Walter Carvalho tem uma grande tara ou obsessão pelo Veloso. Um outro ponto fraco fora o esquema melodramático de novela mexicana utilizado na coletagem dos depoimentos das senhoras viúvas. Digo isso porque já fora utilizado esse formato no especial “Por toda a minha vida” da Rede Globo. Outro ponto negativo fora o de recolocar a ex-secretária Dalva para chorar no apartamento em que o Raul falecera. Vejo que esses pontos foram negativos e não bem trabalhados.

Sobre o relacionamento sexo, drogas e rock ‘n’ roll entre outros excessos na vida do documentado faltou utilizar o depoimento do ultimo parceiro musical: Marcelo Nova como contraponto no programa: “RADIO FX “especial Raul seixas” (disponível no YouTube) em que o Marcelo relata a sua experiência de composição com o Raul, em que em um encontro com o Raul ele deixara o Raul em casa quase morto de tão embriagado, e que ao se encontrar com ele no outro dia, o Marcelo se surpreende com uma composição composta naquele estado alcoolizado. Pontos positivos: creio que foram os depoimentos dos parceiros, principalmente o do Claudio Roberto, pois fora produtivo ao mostrar o processo de composição entre eles. Para mim a parte de mais importância fora o registro do Raul no estúdio, principalmente a parte que mostra toda a sua ludicidade perante o seu oficio, durante o processo de trabalho da faixa de “Eu também vou reclamar” incluída no álbum “Há 10 Mil Anos Atrás” de 1976.

Assisti ao programa “Roda Viva” da TV Cultura com o diretor Walter carvalho para melhor compreender o seu estilo e a sua falta de entendimento ou uma fraca noção/interpretação sobre a obra do próprio Raul seixas. Apesar da consultoria do Sylvio Passos entre outros que auxiliaram no projeto.Vejo porem que este doc. tem a importância de levar as pessoas para sala de cinema, para a apreciação de um documentário nacional, e que nesse quesito ele tivera um bom êxito. Sua bilheteria, prêmios etc... Confirma isso, outra coisa importante é o de ser uma porta para que outros venham a trabalhar a história deixada por Raul, suas influencias, fontes, entre tantas estórias interessantes ainda para serem exploradas e levadas ao conhecimento de mais pessoas. Outro ponto a ser ressaltado é a memória. Pois passando mais de duas décadas de sua partida, constatamos que ele deixou algo de importante no imaginário cultural do país. E que como as novas gerações estão carentes de ídolos. Encerro com uma provocação meu prezado leitor: hoje em dia o que é que temos como parâmetro ou referencial nessa “festa de fim de mundo” chamada no passado de terra de santa cruz hoje chamada apenas por Brasil?

“Antes de ler o livro que o guru lhe deu. Você tem que escrever o seu”.(Raul Seixas)


OBS: Célio limA.(ATIVISTA CULTURAL) É filosofo por natureza; anarquista por tesão e poeta por diversão. Membro fundador dos movimentos literanarkos: A Sociedade dos Filhos da Pátria; A Liga Espartakista-Sempre Mais!!!. Atua nos Blogs:http://salveopoetasalve.blogspot.com.br/http://sexopoemaserocknroll.blogspot.com/ http://poetasdemarte.blogspot.com/ http://tribunaescrita.blogspot.com

9 comentários:

  1. ALGUNS VIDEOS SOBRE O RAUL:

    http://www.youtube.com/watch?v=K3gcujb4N1s&feature=share

    http://www.youtube.com/watch?v=veEv_22Ma7s
    http://www.youtube.com/watch?v=LRfVntasuDI&feature=relmfu
    http://www.youtube.com/watch?v=AgHBJHTIKCM&feature=relmfu

    http://www.youtube.com/watch?v=L9Vs5dq00Gg&feature=related

    http://www.youtube.com/watch?v=UZCpIj7RyLk&feature=related

    http://www.youtube.com/watch?v=hVp5qtFgh8U&feature=related

    ResponderExcluir
  2. Maurici Melo Lima você praticamente falou tudo o que achei do documentário, Caetano Veloso não tem nada a ver com a obra do Raul e ele é a maior mala da música brasileira, até gosto de algumas músicas dele, mas ele é chato pra caramba. Outra coisa que não gostei foi o questionamento das parcerias que tratou Raul como um idiota que não sabia onde se metia e um monte de gente falando coisa que não tem nada a ver com a obra do mesmo, faltou também o depoimento de Jerry Adriane por exemplo que era quase um irmão de Rau, e Zé Ramalho que não falou nada e tem muito mais a ver do que Caetano!

    ResponderExcluir
  3. Tony Santos: realmente, faltou muita coisa, certa vez li que o raul filosofo não conseguia ensinar o que estudara no brasil, pois pelo que que entendi nós brasileiro não temos o abito de lermos constantemente ficando complicado o entendimento da filosofia de uma certa forma, então ele transferiu todo seu conhecimento para as letras e conseguiu fazer coisas interessantes, diferentemente dessas porcarias sonoras que estão aí e fazem o maior sucesso apenas direcionados em ganhar dinheiro, por isso que eu sempre digo hj em dia: TOCA RAULLL.

    ResponderExcluir
  4. Wilha Roberta: Ainda não tive a oportunidade de ver o Doc. mas confio plenamente no senso crítico do companheiro....e se fora da maneira q/descreves APOIADISSÍMO!!!

    ResponderExcluir

  5. Tulipa Zoá: Rapaz! Não tive oportunidade de assistir ao documentário, mas fiquei curiosa. Embora tenha desencadeado muitas críticas, analisando seu ponto de vista, ainda assim me abriu essa cu...Veja mais.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. CREIO Q DEVA SER "CURIOSIDADE" O Q A COLUNA DESPERTARA EM RELAÇAO AO DOC. P/ TULIPA ZOÁ (ALZIRA).

      Excluir
  6. Rayanne Ferreira: Muito bom o texto e exelente critica. ainda n vi o doc. mas vou ver sim. c:
    E mto boa a provocação no final. =/ E a realidade é essa.

    ResponderExcluir
  7. Dilmar Gomes:Muito boa e coerente tua crítica sobre o vídeo. Concordo com quase tudo que dizes a repeito do filme. Um abraço.

    ResponderExcluir