Viajantes Interplanetários

E-MARTE: Cadastre-se para receber nossas novidades em primeira mão!

sábado, 22 de junho de 2013

Cinemarte



A poesia como libertação



Ninguém mais tem tempo para a poesia. Num mundo invadido por frases prontas de Facebook, para que prescindir de uma figura tão marginal como a do poeta? Zizo é uma voz solitária em Recife, declamando a quem quer e a quem não quiser ouvir seus versos além de distribuir o jornal que dá título ao filme: Febre do Rato (expressão típica que se refere a alguém “danado” ou fora de controle). Zizo seria uma figura que gostaria de estar nas atuais manifestações fazendo coro junto com os insatisfeitos (quiçá mudando o discurso das palavras de ordem e proferindo seus inspiradíssimos versos, exalando poesia, vendo somente nela a saída para um mundo e uma sociedade tão caótica e fria e injusta, poesia para entender e melhorar as relações humanas, sociais e políticas).
Zizo (Irandhir Santos) faz a alegria das mulheres maduras locais, em que até o sexo com elas é envolto de recitações, poemas também dedicados ao amigo com relacionamento em crise ou à bela Eneida (Nanda Costa), que domina seus pensamentos desde que a conheceu em um das festas que promovia. Esta não por acaso possui o nome de um dos maiores poemas da literatura ocidental, a Eneida de Virgílio. 


Cláudio Assis retoma neste A Febre do Rato as obsessões estéticas e temáticas de seus filmes anteriores (a subversão dos valores conservadores, um irrequieto e bem-vindo espírito anárquico, a nudez muito bem explorada e fotografada dos atores, os planos sequências em plongée que acompanham os personagens em suas movimentações pelos cenários). Desta vez o colorido dos filmes anteriores cede ao preto e branco que reforça a postura anacrônica para os dias de hoje do protagonista, assaz colorido e vivo para um mundo tão monocromático.
Para que trovadores, declamadores, poetas? Para que o lirismo? Para que serve este romântico inveterado (não o romântico Roberto Carlos, aquele à moda antiga do tipo que ainda manda flores, e que tem seu valor também, mas, sim, aquele que prima pela liberdade em todos os sentidos)? Neste mundo que valoriza a rapidez, o imediatismo das coisas, é necessário tempo demais para se debruçar em três ou mais versos, n'algumas estrofes, arrancar-lhes sentido ou sensação, pensar e deixar-se provocar pelas imagens e pelas palavras tão perfeitamente postas uma ao lado da outra. Este post, pelo visto, trata mais de poesia do que o próprio filme em si. Mas cinema não é poesia?
Ao ver as imagens dos diversos protestos que estão acontecendo no país, não tive como não lembrar da militância de Zizo que grita no megafone sobre o veículo em movimento pelas ruas de Recife e no final se desnuda para chamar atenção a um povo alheio e indiferente. E assim, vida e arte prosseguem no seu eterno imitar um do outro.


4 comentários:

  1. Muito bem propício. E coloco aqui Antonio Cicero para enriquecer o debate sobre o não ter tempo para a poesia: http://cronisias.blogspot.com.br/2013/05/a-poesia-como-liberdade-e-experiencia.html

    ResponderExcluir
  2. Muy buen texto que nos lleva a la reflexiòn del poeta.

    un abrazo

    fus

    ResponderExcluir
  3. gostei muito, foi digno das confluências do Caju hehehehehehehehehehe

    ResponderExcluir
  4. veio a mente agora o filme 'tempos de paz' comob Tony Ramos...

    ResponderExcluir