Viajantes Interplanetários

E-MARTE: Cadastre-se para receber nossas novidades em primeira mão!

segunda-feira, 25 de novembro de 2013

TENDINHA


Acordo para desligar o despertador antes da hora programada. Já não sei quem acorda quem. Gosto da cidade crescendo em ruídos: panelas, pássaros, beijos de bom dia e despedida, chaleiras e o receio de fazer barulho.
O rosnar dos motores no trânsito é quem parece dar o aval que já se pode romper o silêncio. Claro, há resistência. Há quem em movimento inverso, se recolha para o sono naquele instante. De toda forma, é sempre dia de feira, de armar a tendinha para ganhar o pão.
O amanhecer me persegue por horas. Gera desconforto e me força a investigar esse “por quê?” dentro de mim & dos livros. Alteia o sol e cai a noite, mas não encontro respostas. Há um bom tempo que não tenho obrigações rígidas com a rotina. Quem tomar nota como sendo um eufemismo para vagabundagem, não irei me defender.
Finais de semanas e feriados não diferem de dias úteis para mim. Porque mesmo sem saber que respostas me esperam, vejo que a minha quitanda é essa e fica aberta 24h. Não fosse a escrita um trabalho infinito e irrenunciável, investiria em tomates.


   

2 comentários:

  1. Limerique

    Solitário madrugador esse vate
    Mas se puder foge do bom combate
    Sabe que tem opção
    E pode dizer não
    Se quiser troca versos por tomate.

    ResponderExcluir