Viajantes Interplanetários

E-MARTE: Cadastre-se para receber nossas novidades em primeira mão!

sábado, 25 de janeiro de 2014

MILKSHAKE LITERÁRIO

O Desenrolar de Uma Paixão – Parte 1

Ler Erico Verissimo é essencial para a compreensão da mentalidade brasileira...”
 Moacir Scliar

Erico Verissimo, 1940. Fonte


Aloha :D 

Como dito no post anterior (não viu? Clique aqui), O Continente abre a Trilogia do Tempo e o Vento, este volume foi dividido em dois tomos. A Trilogia completa nos conta 150 anos de pura história real (formação do Rio Grande do Sul, com acontecimentos que definiram, de certa forma, a história do nosso país) e ficção (formação da família Terra Cambará). Só não se iluda com essa aparente simplicidade, pois desafio você a descobrir onde uma começa e onde a outra termina.

Confiram as sinopses -
 Tomo I:
Num constante ir e vir entre o passado - as Missões, a fundação do povoado de Santa fé - e o tempo de Sobrado sitiado pelas forças federalistas, em 1895, desfilam personagens fascinantes, eternamente vivos na imaginação dos leitores de Erico Verissimo - o enigmático Pedro Missioneiro, a corajosa Ana Terra, o intrépido e sedutor capitão Rodrigo, a tenaz Bibiana.
Tomo II:
“Aqui, as lutas da Revolução Federalista e a guerra no casarão chegam a um desfecho dramático na fictícia Santa Fé. Numa guerra sem quartel, Bibiana confronta-se com a nora pela posse do Sobrado e do menino Licurgo, herdeiro da família.”

O Continente Tomo II conclui a primeira parte de 'O tempo e o vento'. Juntos contam com 7 capítulos (A FonteAna TerraUm Certo Capitão RodrigoA TeiniaguáA GuerraIsmália Caré e O Sobrado).

O Continente - Tomo II

Considero O Continente um volume mais descritivo, cheio de mitos, permeado pela historiografia. Contém trechos enigmáticos de deixar frio na barriga, diversos conflitos armados como a Revolução Federalista, Farroupilha, Guerra do Paraguai, e a rudeza dos modos que demarcam estas ações do período. Ambição, dominação, diretrizes políticas e romances proibidos permeiam toda trama. Outra família também se faz importante para o contexto, os Caré Amaral.
As personagens são apaixonantes. Como sofre a pobre Ana Terra, impossível não se solidarizar com ela. Rodrigo Cambará tem cada peripérsia e logo depois um charme irresistível, que me fez andar na corda bamba das emoções extremistas o tempo inteiro. E como nem tudo são flores, Luiza Silva, a então dona do famoso Sobrado, que falaremos mais adiante, foi a personagem que mais me tirou do sério.
Li esses tomos tão rápido, com toda avidez da paixão, que não parei nem para fazer histórico de leitura (hoje estou sentindo falta disso), agora só com a releitura para remediar. Juro que esta quando feita, não será nenhum sacrifício. Erico tem um jeito apaixonante só seu, quando começo um de seus livros quero ler todos eles de uma vez.

No que diz respeito ao período literário, essa obra está inserida no chamado romance regionalista da segunda fase modernista, na década de 30, do século passado. Da qual também fazem parte Raquel de Queiroz, Guimarães Rosa e Graciliano Ramos, entre outros.
Estes dois volumes são os mais conhecidos da trilogia, e já receberam diversas adaptações para a televisão e o cinema. Sendo a mais recente, em 2013. 


Confiram aqui o site e o trailer do filme:




Ainda não assistiu? Corre para ver! Mas se quiser ler a obra primeiro, eu apoio totalmente :D
Só para adiantar, próximo sábado teremos a continuação da minha saga com Erico. No entanto, que tal me contar o que está achando de tudo isso até agora? Logo mais, seguiremos com O Retrato! Estão prontos? Até lá.
Mahalo :*


11 comentários:

  1. Menos tempo mais tempo acabarei lendo tb =]]]] Está conseguindo chamar minha atenção!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Espero que o convença em menos tempo ;D
      Afinal, tu participou dessa saga de leituras comigo, os últimos 4 livros foram pegos em tua matrícula na BC, hahaha.
      Lembra?

      :*

      Excluir
    2. é verdade! Saudade das bibliotecas da UFPE

      Excluir
    3. Eu também estava com muita saudade delas.
      No entanto, a BJC é o meu xodó <3

      Excluir
  2. Ly Cintra,
    O Tempo e o Vento é o meu livro favorito e Érico Veríssimo é um autor subestimado por muitos. Uma pena cuja justiça você está fazendo agora com este projeto. Érico, com esta obra, nos presenteia com uma prosa envolvente que todos deveriam conhecer, uma aula de literatura. Bjs

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Caro Wesley,
      O Tempo e o Vento me pegou de jeito, como você pôde observar, foi amor a primeira lida :D
      Concordo com você, Erico é um autor pouquíssimo explorado nas escolas, nos livros e nas rodas de leitura. O quanto perdemos com isso é incalculável. Então, por enquanto, cabe a nós que o admiramos espalhar todo esse amor e arrebatar mais leitores por aí.
      Eu ainda acredito no poder de espalhar sementes ;)
      Obrigada pela visita, espero vê-lo nos próximos capítulos de minha saga.
      Grande abraço :*

      Excluir
  3. Oi Ialy!
    Que delícia ver você postando sobre nosso querido autor! Agora sim, Erico vai ser conhecido até em outros mundos... rsrs beijão

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá Lúcia!!
      Que enorme prazer encontrá-la por aqui, seja bem-vinda *-*
      Fico feliz que tenha gostado. Espero mesmo que os ecos produzidos em Marte, consigam alcançar até os lugares mais longínquos da galáxia :P
      Espero vê-la nos próximos capítulos de minha saga.
      Abraço apertado :*

      Excluir
  4. Querida Dinda,
    vc nem imagina como foi uma ventura poder ler esse post sobre meu autor favorito, sobre sua obra-prima, e ainda escrito por vc naqueles dias que passei tanta confusão.
    A maioria das pessoas quer tirar férias para descansar. Eu estou cogitando abolir férias da vida pois, elas me cansam mais que a vida. E sempre preciso férias das férias.
    Mas seja onde estou, na vida ou nas férias, nosso mundo de livros, com uma perspectiva sempre tão otimista como assim, a vida se torna mais enfrentável.


    um abraço para vc... e um beijinho! ;*

    ResponderExcluir
  5. Vc acredita que fico adiando ver o filme? Eu que esperei tanto por ele, desde que Letícia me contou sobre o projeto.
    É tão épico, tão empolgante, tão envolvente, que tenho receio de voltar para Santa Fé e outra vez ver o que lá vi, rsrsrs, que vc sabe, não dá para se conformar. Mas isso é que a boa literatura, a quem mexe com a gente profundamente. :)
    Eu vou ver com o Matheus que tem me torrado muito para ver...

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Só hoje, por mero acaso, vejo esses seus recadinhos!

      Fico tão feliz que tenha gostado do post *-*
      Mil palavras de agradecimento não chegam para expressar o quanto sou grata por você ter me apresentado esse autor maravilhoso. E como ele mexe com a gente!
      Espero que já tenha visto o filme, a essa altura do campeonato. :D
      Vamos conversar sobre ele!

      Abraço apertado e beijinhos :*

      Excluir