Viajantes Interplanetários

E-MARTE: Cadastre-se para receber nossas novidades em primeira mão!

sábado, 27 de dezembro de 2014

Cinemarte



Preces cinéfilas


Por um cinema nacional com menos comédias televisivas (com menos Leandro Hassum, de preferência). Brasileiro gosta de rir (inteligentemente) e também de chorar, se assustar, torcer, suspirar, entrar em choque, pensar. Que o Brasil continue a investir em outros gêneros, que se arrisque mais em novas narrativas (como tão bem alguns diretores estão fazendo ultimamente e sendo bem sucedidos artisticamente nestas incursões). Que o público se reconheça e dê audiência e bilheteria não só aquilo que a Globo Filmes divulga.
Por um cinema hollywoodiano com menos adaptações de histórias em quadrinhos. Elas podem ser muito divertidas, quando bem-feitas, mas enfadonhas se a perspectiva de novidades são apenas continuações e transposições de heróis tão interessantes quanto o “homem-grilo”, “homem-formiga”, “homem-barata” ou qualquer outro ser extraordinário com super poderes.
Por um cinema estrangeiro (não somente americano ou europeu, claro) que venha nos salvar de toda mediocridade a qual não estaremos livres nas salas de exibição.
Por mais salas de cinema de rua a conservar a tradição cinéfila.
Que o cinéfilo consiga ir mais ao cinema do que no ano anterior, sozinho ou acompanhado.
Que o cinéfilo possa assistir a todos os filmes que deseja e os odeie e ame com o mesmo afinco. É do amálgama entre paixão e raiva que surgem os novos clássicos.
Que os críticos continuem com seu mau humor só para que possamos mostrar o quanto estão errados ao apoiarem demasiadamente ou denegrirem injustamente determinada obra.
Que surjam novos realizadores, atores e atrizes, novos profissionais capazes de manter a magia que é assistir a um filme (independente do formato: cinema, DVD, baixado pela internet, streaming, mutilado na TV).
Que filmes bons e ruins sejam assuntos nas conversas de bar, almoços, redes sociais, mobilizem pessoas a mudarem a si próprias ou as façam se divertir, pelo menos.
Que o cinema continue a ser cinema que já está de bom tamanho.
Seria pedir demais?

3 comentários:

  1. hahahaha, prece super aprovada Wesley!
    Só acrescentaria: Que os hackers desocupados não tentem estragar as superproduções cinematográficas ;)

    Grande abraço e um 2015 cheio de cinema para todos nós :*

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Ótima sugestão, Ly!

      Um feliz 2015 (literário, cinéfilo, musical) a todos nós!

      Excluir
    2. Infelizmente as primeiras notícias de 2015 para os cinéfilos não são muito legais... =/

      http://blogs.diariodepernambuco.com.br/diretodaredacao/2015/01/05/o-the-end-mais-triste-de-todos/

      P.S; Lembrei do seu post sobre as locadoras, há uns dois anos...

      :*

      Excluir