Viajantes Interplanetários

E-MARTE: Cadastre-se para receber nossas novidades em primeira mão!

terça-feira, 1 de junho de 2010

ASAS ABERTAS

        
As asas da minh’alma estão abertas!
Podes te agasalhar no meu Carinho,
Abrigar-te de frios no meu Ninho
Com as tuas asas trêmulas, incertas.

Tu’alma lembra vastidões desertas
Onde tudo é gelado e é só espinho.
Mas na minh’alma encontrarás o Vinho
e as graças todas do Conforto certas.

Vem! Há em mim o eterno Amor imenso
Que vai tudo florindo e fecundando
E sobe aos céus como sagrado incenso.

Eis a minh’alma, as asas palpitando
Com a saudade de agitado lenço
o segredo dos longes procurando...


Cruz e Souza

2 comentários:

  1. Dá-le! Quem tá afim dessa declaração de amor?
    kkkk

    ResponderExcluir
  2. Penseeeee numa coisa lindaaaaaa.
    Grande Mestre Simbolista, nesse ele foi mais romântico *-* que trágico \o/
    Pena que ele tem história de amor sem final feliz, que triste :|

    P.S:Eu já tenho as minhas Everson, hahaha!

    ResponderExcluir