Viajantes Interplanetários

E-MARTE: Cadastre-se para receber nossas novidades em primeira mão!

terça-feira, 1 de junho de 2010

Minha ode ao inverno:

Quando Junho chora

Ninguém escapa da chuva.
Ela que vem vestida de gotas úmidas
E de cor fria.
Ninguém escapa da chuva
A solsticiana molhada:
Engravida a terra
E inunda as cavernas.
Encurrala bebuns
Em longas tabernas.
Dar-se sem um abrir
Ou fechar de pernas.
Vem sempre chorando
E atirando seus espermas
Essa velha conhecida
Da moça primavera.
Invadindo os campos,
Molha de Filipinos a Belgas,
E até os mazelados
Envoltos à favelas.
Até que nós em pele
À grande alegria,
de nos envolvermos
Em morenas frias.

D.Everson
21-06-2006

Fonte:

ANDRADE, D.Everson da S. Poemas do S(ó)l. Olinda: Livro Rápido, 2009.

OBS: O PDF deste livro pode ser baixado aqui neste site.

5 comentários:

  1. Ainda bem que eu tenho o meu exemplar de Poemas do S(ó)l devidamente dedicado e autografado bem aqui na estante de casa :D
    E ainda digo mais, adquirido exatamente em Bezerros, no dia do lançamento! É orgulho demaaaaaaaais *-*

    E vocês que não possuem,
    não sabem o que perdem ;)
    Esse Dan arrasaaaaa!

    ;*

    ResponderExcluir
  2. Eita que essa minha leitora é orgulho de mais.

    ResponderExcluir
  3. Eu não tenho um na minha estante...

    ResponderExcluir
  4. Em breve 2ª edição para presentear a gente boa daqui =]

    ResponderExcluir