Viajantes Interplanetários

E-MARTE: Cadastre-se para receber nossas novidades em primeira mão!

quinta-feira, 14 de abril de 2011

CONFRONTOS E CONFLUÊNCIAS

Depois de férias involuntárias, a coluna finalmente retorna  para as quintas marcianas. E para que não aja mais férias involuntárias, oremos: em nome do pai, em nome do filho. Rá! Quem está ligado nos próximos lançamentos da boa poesia, já deve ter matado a charada dos ilustres que estão participando do CONFRONTOS E CONFLUÊNCIAS de hoje. Apresento o pai, Benedito da Cunha Melo; e o filho, Alberto da Cunha Melo. Enquanto aguardo anciosamente pela compilação, deixo vocês com os próprios:


16
A meu filho Alberto

Se sou teu pai, e me julgo
pai maior, nessa honraria,
honra igual tenho em ser teu
irmão menor na poesia.

(Benedito da Cunha Melo)


O PRESENTE

O que hoje recebes
e não podes pegar, guardar
em panos e papéis laminados,
é imperecível,
presente onipresente.
Estás com ele na chuva
e não temes que se desfaça.
Estás com ele na multidão
e não o escondes dos mutilados.
O que não existe para os homens
deles estará protegido,
o que os homens não vêem
não poderão espedaçar.
Eis o que não te denuncia
porque não tem face
nem volume para ser jogado no mar.
Eis o que é jovem a cada lembrança
porque não tem data
e série, para envelhecer.
O que hoje recebes
não pode ser devolvido.


(Alberto da Cunha Melo)
   

3 comentários:

  1. Gostei mais da do pai que não deixou de enaltecer o grande filho poeta =]

    ResponderExcluir
  2. Rapaz, quanta gente não conhece esse formidável Alberto da Cunha Melo! Eu mesmo só vim a saber dele há pouco menos de um ano atrás.

    Abraço.

    ResponderExcluir
  3. Hummm, se é "HÁ pouco menos de um ano", só pode ser atrás, né? Acorda, Marco!

    Rs. Abração.

    ResponderExcluir