Viajantes Interplanetários

E-MARTE: Cadastre-se para receber nossas novidades em primeira mão!

domingo, 4 de setembro de 2011

HAICAIS DE DOMINGO


UM QUINTO DAN DA LITERATURA BRASILEIRA



ssssssssssssssssssssssssssssssssssssssssssssssssssssssssspor: D.EVERSON

Nosso poeta desse domingo é com certeza um dos maiores intelectuais desse país de gente faixa preta. Contemporâneo do grande Paulo Leminski. Nascido em São Paulo, em 1929. Foi também: advogado, procurador e professor. Junto com seu irmão, nosso poeta, mudou a história da poesia brasileira, e paulistana sobre tudo. Formado em direito pela Universidade de São Paulo, onde conhecera o professor, como chamava Décio Pignatari o Paulo Leminski, deram asas ao movimento concreto. O camarada publicou mais de 30 livros. Ganhou um prêmio Jabuti em 1992 e outro em 1999. Experimentalista, até o talo, criou poemas que entraram para história. Dentro outras coisitas mais traduzira somente: Dante, Goethe, passagens da Bíblia e Heródoto.
“Em 1990 obteve o título de professor emérito pela Pontifícia Universidade Católica de São Paulo. Entre outras honrarias que recebeu estão o título de "doutor honoris causa" pela Universidade de Montreal, no Canadá, e o prêmio Octavio Paz, no México.”¹  Nosso poeta, “inaugurou um novo patamar na reflexão sobre haicai e sua criação ao publicar, no Suplemento Literário de O Estado de São Paulo, os artigos ‘Haicai: homenagem à síntese’ e ‘visualidade e concisão na poesia japonesa’ – o primeiro em 30 de agosto de 1958, o  outro em 25 de julho de 1964. Posteriormente, os textos seriam reunidos no livros A arte no horizonte do provável (1969).²  sem mais vos digo que estou falando, nada mais nada menos, de um dos irmãos campos: Haroldo e/ou como é mais conhecido: Haroldo de Campos:

o velho tanque
                      rã salt’
                               tomba
                                       rumor de água






manhã branca
                 peixe  branco
                                      uma
                                            polegada branca





canta o rouxinol
                 garganta miúda
                                 – sol lua – raiando


REFERÊNCIAS

http://www.tanto.com.br/haroldodecampos-circunloquio.htm 


http://educacao.uol.com.br/biografias/haroldo-de-campos.jhtm¹

GUTTILLA, R. W. Boa companhia: haicais. São Paulo: Companhia das letras, 2009. 189 p.²

Um comentário: