Viajantes Interplanetários

E-MARTE: Cadastre-se para receber nossas novidades em primeira mão!

quarta-feira, 22 de agosto de 2012

Azedume XII



I

Engano
Durante toda a festa, me olhava.
Perguntei à dama, se dançava.
Mas que triste decepção
Com aquele pomo de adão
E aquilo, que embaixo, cutucava

II

Afogamento

A meretriz, gorda, comilona
Sai para o motel, deixa a zona,
C'um cliente, bem faceira.
Trepa com ele na banheira!
Só os olhos do homem, vem à tona!

III

Bucha
O pobre João Apolinário
Ao cair no conto do vigário
Esbraveja iracundo:
Hoje em dia, todo mundo
Decidiu me fazer de otário

IV

Ressaca
Depois da uca, chega o sono
Ele, de quatro, no abandono,
dorme, na calçada, feliz.
Morfeu, preocupado, diz:
Sonho de bêbado, não tem dono

V
Sem fé
Sim! Tornar-me-ei um eremita.
Religião, fé, nada me excita.
Pelo meu diagnóstico,
Devo ser agnóstico:
Um ateu que diz que acredita.

Cristiano Marcell

8 comentários:

  1. Boas reflexões essas, e melhor ainda transformadas em poesia.

    ResponderExcluir
  2. Grato,meu amigo! Bom que tenha gostado de meus limeriques!!

    ResponderExcluir
  3. Limerique

    Ela me disse que cultivava alousia
    Não revelei que isso eu não sabia
    Mas havia algo errado
    Impossível ficar a seu lado
    Pois de muito longe seu fedor ressentia.

    ResponderExcluir
  4. KKKKKKKK Gostei muito.Azedume bem hilário.Muito bom ! Bjs

    ResponderExcluir
  5. Pai! afasta de mim esse cálice... kkkkkkkkkkkkkk

    ResponderExcluir