Viajantes Interplanetários

E-MARTE: Cadastre-se para receber nossas novidades em primeira mão!

quarta-feira, 22 de agosto de 2012

MilkShake Literário #5 Sessão Extra


“SEM FUTEBOL NÃO DÁ”*


Aí é que está: – sem futebol esse povo fica neurótico. O carioca nem precisa ir ao campo e pode passar sem rádio. Mas precisa saber que há um jogo à mão e que o Maracanã está aberto. Amigos, outro aspecto considerável de nossa vida futebolística: o estádio vazio deprime a cidade. É preciso, para a nossa alegria, que ele esteja cheio e vibrando. Gostamos quando o Maracanã transborda e há gente pendurada até no lustre.
[29 dez. 2011]

Como citei ontem, Nelson Rodrigues era um apaixonado pelo futebol brasileiro. E um torcedor fervoroso do Fluminense:

"Se o Fluminense jogasse no céu, eu morreria para vê-lo jogar."



Dizem que era o melhor da família com a bola nos pés e provou ser também com a máquina de escrever a mão, pois o assunto ocupou lugar de destaque na vida do escritor e foi tema de várias obras ao longo de sua carreira: peças, a exemplo “A Falecida” que narra à história de um torcedor do Fluminense, assim como crônicas e colunas esportivas, sendo a de maior destaque as escritas para a Revista Manchete Esportiva. Na década de 60 participou da primeira mesa-redonda sobre futebol na televisão brasileira, a Grande Resenha Esportiva Facit, na Tv Globo.

Confiram mais um pouco sobre a trajetória de Nelson no futebol em suas próprias palavras:



FLA-FLU*

 “Amigos, estarei descobrindo a pólvora se disser que o Fla-Flu é o maior jogo do Brasil (e, se me permitirem, o maior jogo do mundo). Antes, era um simples Fluminense e Flamengo. Mário Filho não tinha ainda descoberto a abreviatura que ficaria para sempre: – Fla-Flu.
E o Fla-Flu caiu na boca do povo. O clássico passou a fascinar as multidões. Quando os dois medem forças é uma festa carioca. Os carros em disparada, as bandeiras ventam em procela. O impressionante no Fla-Flu é que sempre é grande jogo. Noventa minutos de tensão dionisíaca. O torcedor vai para casa emocionalmente exausto.
[10 out. 2011]
Coluna “Nelson Rodrigues Dá Bom Dia”, Jornal dos Sports, 31 de julho de 1975.
Fontes Consultadas:
*Textos Publicados no SiteOficial – Nelson Rodrigues - As datas são as das postagens no Site.

Mahalo :*
@LyCintra


2 comentários:

  1. Não há comentários suficientemente grande para quem é!

    Tenho uma camiseta igual a dele! O meu estilo!

    Até bem pouco tempo, eu lia no Jornal dos Sports(de páginas rosadas)a coluna escrita por seu filho, N.Rodrigues Filho. Certamente escritos pálidos perante às belíssimas crõnicas esportivas do pai.

    Muita paz!

    ResponderExcluir