Viajantes Interplanetários

E-MARTE: Cadastre-se para receber nossas novidades em primeira mão!

quarta-feira, 10 de abril de 2013

PACOTE COMPLETO E FECHADO


Sem exceção. Todas as vezes que defendi que a poesia deve ser uma atividade de disciplina rígida, algum interlocutor vem com alguma alusão direta a sistemas métricos e versos rimados. Não sei se me expresso mal ou o verso contado e/ou rimado passa a impressão de algo difícil. Não é difícil, mas requer treino, do mesmo jeito do livre e/ou branco.
Assim como um bom poema livre não funciona apenas jogando palavras a esmo, um bom poema metrificado não funciona apenas atingindo o número de sílabas almejado.
Os versejadores de poemas livres não me parecem enfrentar tantas crises com a própria poesia: acham a cabeça, o tronco e os pés do texto com mais facilidade. Já os outros (categoria que atualmente me considero membro) às vezes perdem a noção do ridículo. Fodem a sintaxe do texto para não perder uma rima ou não quebrar uma métrica, querem um pacote completo e fechado a todo custo.
Penso, e assumo a conta e o risco por isso, que um poema de métrica e rima deve ser melhor pensado para os olhos que para os ouvidos. Acho que é coisa apenas para quem gosta de flertar com palavras; quem quer o conteúdo antes da forma deveria ficar longe de estruturas fixas. E quem quer som antes da imagem, melhor partir para parcerias musicais.

Um abraço do sinceramente cansado de ler poemas sérios com rimas infantis e poemas leves com métricas desnecessárias,
Caju.

8 comentários:

  1. Você foi bem claro. Minhas rimas surgem por si mesmas, ou então não surgem. mas se eu tiver que escolher uma modalidade, prefiro os versos livres.

    ResponderExcluir
  2. Cada um no seu quadrado, ado ado ado...

    ResponderExcluir
  3. Limerique

    Entendi claramente caro Fred Caju
    Você explicou tudo bem prá chuchu
    Colocou pingos nos is
    Falou tudo que quis
    Só esqueceu de mandar-nos tomar no cu.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Jair é nosso mestre Yoda
      poeteiro que inventa moda
      e honra seu testículo,
      não beira o ridículo
      e só escreve poema foda.

      Excluir
    2. Limerique

      Fred Caju poeta super genial
      Que se diz um artista marginal
      Mandou bem à beça
      Então vamos nessa!
      Todos caprichando no textual.

      Excluir
    3. eita que tá parecendo moda de viola =]

      Excluir
    4. Limerique

      Era uma vez velho poeteiro
      Em cujo bolso não havia dinheiro
      Gostava tanto de mulher
      Mas sem tostão sequer
      Sem opção, tornou-se punheteiro.

      Excluir