Viajantes Interplanetários

E-MARTE: Cadastre-se para receber nossas novidades em primeira mão!

domingo, 8 de dezembro de 2013

VENTO


Passa a rir, torna a passar, o vento
Como que das pessoas zombando
Pra melhor observá-las passa lento
Não lhe importa estejam chorando

Seu zumbido é como voz tristonha
Mas no fundo está apenas a troçar
De seres humanos de vida bisonha
Que não sabem que viver é se doar

Vai-te prá longe vento, não és amigo
Então ris, porque não sabes chorar
Engoles essa dor, deixa-a só contigo

Enquanto finges que teu calvário
É uma pesada cruz para carregar
Porque sei que és apenas otário.

4 comentários:

  1. Limerique

    Vento que passa rindo
    Zombando feito menino
    Causando dor no amigo
    Retirando-lhe a paz do abrigo
    Alegria de poeta, a sorrir, fingindo.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Este comentário foi removido pelo autor.

      Excluir
    2. Limerique

      Não és vento, és mera calmaria
      Que em quase qualquer canto se via
      A ninguém mete medo
      Então não tens segredo
      Divertido me rio da sua ousadia.

      Excluir